Para pesquisadores, realidade em que vivemos pode ser simulação.

Após assistir a Matrix, você ficou se perguntando se realmente existe um universo paralelo gerado por um computador? Se a resposta foi positiva, talvez esteja chegando a hora de você descobrir a verdade.

Segundo o Daily Mail, um grupo de cientistas da Universidade de Bonn (Alemanha) encontrou uma forma de confirmar se o universo como conhecemos é ou não uma realidade simulada.

Para confirmar a suposta teoria do ‘Matrix’, os estudiosos buscam criar uma simulação de nosso universo para encontrar a natureza da”visão restrita”, que nos impediria de perceber esse universo paralelo virtual em que (teoricamente) estaríamos vivendo.

Segundo eles, é possível que alguma civilização tenha conseguido produzir computadores tão poderosos capazes de desenvolver simulações do próprio universo. Sendo assim, estaríamos vivendo em uma dessas simulações, reproduzindo a mesma trajetória que nossos criadores. Ou seja, no futuro, seríamos capazes também de projetar as mesmas simulações em que supostamente vivemos.

A verdade será finalmente revelada quando os físicos unificarem o micro e o macro, e encontrarem nossas limitações percepto-sensoriais que nos impedem de enxergar a realidade.

Esse tipo de pensamento não é novo, Gnósticos de varias denominações pregam isso a milênios.

Confira mais sobre o assunto neste link.

A Interessante História de Rosalia Lombardo.

Rosalia Lombardo era uma menina italiana que morreu em 6 de dezembro de 1920, aos 2 anos de idade. Seu pai pediu, na época, ao Dr. Alfredo Salafia um reconhecido embalsamador para que a mantivesse preservada.

Rosalia tornou-se, assim, um dos últimos corpos a ser admitidos na “Catacumbas dos Capuchinhos de Palermo”.

Durante muito tempo seu processo de embalsamamento foi um mistério e mantido em segredo. Seu corpo, aparentemente, nunca entrou em decomposição, preservando seu rosto de criança.

 Foto: Vincent J. Musi.

A fórmula para mumificação do Dr. Salafia permaneceu um mistério até  pesquisadores descobrirem a resposta em suas anotações pessoais, que estavam empoder da família. Trata-se de um composto de formol para matar bactérias, ácool para desidratar o corpo, glicerina para evitar que ressecasse,ácido salicílico para matar fungos, e, o mais importante de todos, sais de zinco para dar rigidez ao corpo.

Exames de raio-X e ultrassonografia revelaram que além da aparência externa, todos os órgãos internos permanecem intactos. Descobriu-se depois que o Dr. Salafia havia viajado ao Egito para aprender as técnicas de mumificação, estudando as tumbas faraônicas e realizando pesquisas com médicos locais.

O corpo de Rosalia está hoje em exposição numa pequena capela ao fim do trajeto turístico da catacumba descoberto, permanecendo em seu pequeno caixão com uma tampa de vidro em um pedestal de marmore.